domingo, 22 de novembro de 2009

completude anual

Olá,
Resolvi, como faz-se em blogs por ai, contar a todos o que significa minha completude anual :Tenho tido sorte e ganhos pelo meu movimento incansável, este ano Contei Histórias como não imaginava poder , tive muitas oportudades de compemplar olhares e de me ver nos olhos de meus escutadores encantados , percebi o quanto a arte de contar histórias é complexa e precisa de ousadia, trabalho e empenho... neste ano me voltei para mim , completei-me com uma casa e um companheiro para todas as horas ... este ano olhei para o povo e propus coisas novas baseada em velhas e lindas idéias que poucos acreditam com fé ("pleonasticamente" falando).
foi neste ano impar que as coisas melhoraram, mudaram , ampliaram.. ainda falta um mês para acabar este ano singular , impar ... 2009 esta sendo portanto O ANO...

tem mais histórias vindo por aí ...
depois do VFestival a Arte de Contar Histórias da Prefeitura da Cidade de São Paulo : o CAPS II infcaps antil Brasilândia está´progamando a semana da conscência negra : AGUARDEM!!!!!!

HISTÓRIAS DA ÁFRICA

no CAPS II infantil Brasilândia

terça-feira, 6 de outubro de 2009

V Festival " Arte de Contar Histórias"

Olá Querid@s,
Convido a tod@s para participar do riquissimo V Festival " Arte de Contar Histórias".
Estarei em duas Bibliotecas :
19/10 às 10 horas - Marcos Rey
21/10 às 10 horas - Raimundo de Menezes

Conto com vocês !

V Festival " Arte de ?Contar

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Contos Tradicionais da América Latina


Oi Gente,

ando muiitoooo ocupada , mas não tanto que não possa contar mais histórias por aí , rsrsrs
e Foi assim que recebi o maravilhoso convite de contar Contos Tradicionais da América Latina ...
Venham conferir!!!
Até Lá

sábado, 22 de agosto de 2009

LIVROS


Olá escutadores e contadores de histórias,
Tenho vivido intensamente me arrumando na casa e no trabalho , sem tempo para divulgar minha arte tenho feito poucas contações.
Mas, arrumei parte importante de minha vida : os livros !!!
assim fico mais tranquila e sei que posso me refugiar aqui assim que quiser.
beijos

terça-feira, 14 de julho de 2009

O Planeta Lilás


Oi,
ando sem contar muitas histórias por aí , mas enferrujada ainda não fiquei ..
quem me ajuda são os livros de bons autores .
Hoje mexendo nas minhas bagunças achei um ótimo.
Ziraldo o escreveu em 1979 , quando eu tinha apenas um ano (veja a fotinho ao lado , eu e meu avô querido andando de mãos dadas, em 79 , bons tempos ,rsrsrs).
O livro tem uma história deliciosa, sobre nossas inquietações e o como muitas vezes deixamos de perceber o que há de mais belo em nosso mundo, por menor que sejamos ou achamos ser. Acho que desde meus primeiros passos tento ver a beleza de meu mundinho.
Leia, vale muito a pena .
beijos lilases, rs

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Ultimas Noticias

Olá pessoas,
Fiquei um tempão sem escrever, né ?!
Mas é a vida deu uma acelerada , muitas coisas aconteceram no mês de junho e estão ainda reverberando ...
Bem primeiro quero contar que contei Contos Indianos do Mahabharata para a Felicity , uma pequena flor de Lotus que fez 7 anos no dia 20 de junho. Adorei como sempre , e preparei tudo com um toque especial, me caracterizei e ofereci para ela ao final das histórias a primeira parte do "Mahabharata pelos olhos de uma crianças" de Samhita Arni, uma edição especial escrita por essa pequena indiana de 12 anos. Acho que ela vai adorar as histórias sobre reis , donzelas, magia e com toda a sabedoria oriental que as temperam.

Depois quero contar a vocês que agora estou trabalhando na Freguesia do Ó , ainda num CAPS i (centro de atenção psicossocial infantil ), mas agora com a responsabilidade de coordenar o serviço. afff !!! Com isso fica mais dificil sair por aí contando histórias , por que o trabalho vai ocupar muito tempo , mas fica aberta chance para criar um ambiente amplificador de histórias da tradição oral en gerar muita saúde ...
Estou empolgada e com muitos projetos na cabeça, conforme as coisas forem andando vou avisando!

Mas tenho um evento para amanhã que quero anunciar:

Encerramento do Projeto Ler é 10 realizado pelo Lar Escola Recanto Cristão
vai acontecer na Subprefeitura d aVila Maria, amanhã dia 03/07/09 às 19 horas
Beijos

quarta-feira, 17 de junho de 2009




Um dos eventos mais gostosos que fiz este ano foi o Festival da Mantiqueira , troquei contos de fadas com mais de 100 crianças lá em São Francisco Xavier (São José dos Campos - SP).
O Lugar é uma delícia e nos inspira a pensar literatura , adorei !!!!
vejam as fotos By Natália Cunha
Beijos

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Companhia de Fadas no Festival da Mantiqueira

Olha lá pessoal,
A Companhia de Fadas tem uma apresentação no Festival da Mantiqueira - Dialogos com a Literatura que acontecerá em São Francisco Xavier, nos dias 29,30 e 31 de maio de 2009 .
Se puder vá !!
Te espero !

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Biblioteca Castro Alves

Olá a tod@s

Dia 7 foi dia de mais uma apresentação do "Caixa de Histórias " e como de costume adorei , mas sou suspeita , rsrsrs!
Amo contar , amo olhar no olho de cada um destes pequenos e pequenas e senti-los muito pertinho, a vontade é de sussurrar !
Tenho dentyro da Caixa de Histórias uma história especial , ganhei de presente da Kelly , amiga do coração, que fez comigo um cenário miniatura que as crianças aaaaaaddddddooooooraaaammmm, é uma atração por si , nem precisava que eu estivesse por lá ... rsrsrs !
Além de contar uma história magnífica colhida po Luiz da Camara Cascudo , o Espelho Mágico, a caixa que se abre como um presente é linda !
Pena que é pequena de mais e não comporta para apresentação a grandes platéias.
Nesta apresentação por exemplo tive que combinar uma visitação ao cenário do Esplho Magico se não a história ia ter que ficar pra outro dia ....
Como as crianças pequenas precisam de algo mais interativo , mais concreto , que lhe ofereça um suporte a imaginação, o cenário é ideal.
Vejam nas fotos
As crianças que ouviram as 4 histórias contadas foram todas as turmas da EMEI que funciona em frente a Biblioteca Castro Alves , então crianças de 4 a 6 anos !

segunda-feira, 4 de maio de 2009

II Workshop "A Descoberta do Brincar e do Contar Histórias na Saúde Mental"


Realização: Hospital Dia Infanto-Juvenil
Serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência - IPqHCFMUSP

Data: 15 e 16 de maio de 2009
Local: Anfiteatro e salas do HDI - Instituto de Psiquiatria

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Livraria Sobrado

Com um toque de aconchego e no ar a vibração da curiosidade de muitas crianças e adultos a cada palavra, passei o feriado de Tiradentes, contando histórias na Livraria Sobrado
posto aqui algumas fotos para marcar a memória com as imagens de algo que no coração já está estampado :
Um ótimo feriado !!!!

domingo, 19 de abril de 2009

Contos Infantis

Dia de Índio

Oi gente,

<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Hoje é dia de índio, apesar de não ver comemorações e nem mesmo ameças de lembranças sobre o por que hoje é dia de índio, já que me parece que este "dia especial" fica restrito a lembrança das professoras em escolas de educação infantil, pensei que poderíamos aqui falar um pouco sobre coisas de índios.

Ouço alguns se questionarem sobre o por que um dia especial para índios ou negros, será que isso não incita a preconceitos ?
Respondo de minha parte que não acho !
Mas, ha de se levar em conta que banalizado como estão, estes dias também não geram reflexões que culminariam em uma convivência melhor entre todos e necessariamente DIREITOS HUMANOS garantidos.
O fato é que estes - negros, índios - sempre foram menorizados nesta cultura branca, opressora e exploradora, e temos aí exemplo concretos como a dificuldade de reintegração das terras aos índios do centro- norte do país, por exemplo.

Os dias comemorativos, hoje já quase não lembrados, são uma ponte a consciência sobre como queremos viver, com quem e a que preço ?! Porem, despidas de simbolismos, estas datas, serve a reforçar o que já há mais de 500 anos se tem feito às culturas diferentes nas Américas. Culturas estas que com seus símbolos e valores "estranhos" ao hegemônico, que em sua visão opressora à nada servem , apenas servem para atravancar o "progresso", a qualquer custo, a qualquer preço...

Se hoje é dia de índio, é por que devemos nos elevar ao menos neste dia à sua SABEDORIA e APRENDER com eles símbolos e valores diferentes desses de opressão, ganancia, e poder a qualquer custo.
E é na tentativa de nos ajudar a entrar em contato com este mundo mítico indígena e dele extrair sabedoria, que posto aqui o mito de criação do mundo contado pelo povo Munduruku (Mito Tupi) e recontado por Daniel Munduruku no livro : Contos Indígenas Brasileiros da editora Global
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


DO MUNDO DO CENTRO DA TERRA AO MUNDO DE CIMA

No antigo tempo da criação do mundo com toda sua beleza, os Munduruku viviam dispersos, sem unidade e guerreando entre si. Esta era uma situação muito ruim que tornava a vida mais difícil e indócil. Foi aí que ressurgiu Karú-Sakaibê, o Grande Criador, que já havia realizado tantas coisas boas para este povo.
Contam os velhos que foi ele quem criara as montanhas e as rochas soprando em penas fincadas no chão. Eram também criações dele os rios, as árvores, os animais, as aves do céu e os peixes que habitam todos os rios e igarapés.
Karú-Sakaibê, tendo percebido que o povo que ele criara não estava unido, decidiu voltar para unificá-lo e lembrá-lo como havia sido trazido do fundo da terra quando ele decidiu enfeitar a terra com gente que pudesse cuidar da obra que criara.
assim contam os velhos sobre a vinda dos Munduruku ao mundo de cima:
Karú-Sakaibê andava pelo mundo sempre em companhia de seu fiel amigo Rairu, que embora fosse muito poderoso, gostava de brincar e se divertir. Um dia, Rairu fez uma figura de tau juntando folhas, gravetos e cipós. Era uma imitação perfeita. Tão perfeita que o jovem brincalhão resolveu colá-lo com resina feita com cera de mel de abelha para que seu desenho nunca desaparecesse. Para secar a resina Rairu enterrou seu "tatu" embaixo da terra deixando apenas o rabo para fora. Porém, quando ele tentou, depois de algum tempo, retirar sua mão do rabo não conseguiu, pois a resina havia secado e ele ficara grudado no rabo do tatu.
Como Rairu tinha um grande poder, deu vida ao desenho e este, em vez de querer sair do buraco, foi adentrando-se cada vez mais, carregando consigo o pobre rapaz preso ao seu rabo. Por mais que tentasse se soltar não conseguia. O tatu-desenho foi cada vez mais fundo e quando chegou ao centro da terra, Rairu encontrou muita gente que por lá morava. Tinha gente de todo jeito: algumas eram bonitas, outras eram feias; algumas eram boas e outras eram más e preguiçosas.
Rairu ficou tão impressionado com aquilo que decidiu sair rapidamente do buraco para contar a Karú-Sakaibê, que já devia estar preocupado com sua demora. E estava mesmo. Karú irritou-se tanto com seu companheiro que decidiu castigá-lo, batendo nele com um pedaço de pau. Para se defender o jovem contou sua aventura ao centro da terra e como ele havia encontrado gente lá. Estas palavras chamaram a atenção de Karú, que decidiu trazer toda esta gente para o mundo decima.
Rairu ainda perguntou como poderiam fazer isso se eles estavam tão longe. O herói criador nem sequer deu ouvido ao jovem. Começou a fazer uma pelota e enrolá-la na mão. Em seguida jogou a pelota no chão e imediatamente nasceu um pé de algodão. colheu, então, o algodão e com suas fibras fez uma corda que passou na cintura de Rairu e ordenou que fosse ao centro da terra buscar as pessoas que ele vira.
Rairu desceu pelo mesmo buraco do tatu. Quando chegou reuniu todo mundo e falou das maravilhas que havia no mundo de cima e que queria que todos subissem pela corda para conhecer este novo mundo. Os primeiros a subir foram os feios e os preguiçosos, qor que estes imaginavam que iam encontrar alimento com muita facilidade nunca mnais precisariam trabalhar. Depois subiram os bonitos e formosos.No entanto, quando estes últimos já estavam quase alcançando o topo, a corda arrebentou e um grande número de gente bonita caiu no buraco e permaneceu vivendo no fundo da terra.
Como eram muitos, Karú- Sakaibê quis diferenciá-los uns dos outros. Para que uns fossem Munduruku, outros Mura, arara, Mawé, Panamá, Kaiapó e assim por diante. Cada um seria de um povo diferente. Fez isso pintando uns de verde, outros de vermelho, outros de amarelo e outros de preto. No entanto, enquanto Karú pintava um por um, os que eram feios e preguiçosos adormeceram.
Esta atitude das pessoas feias irritou profundamente o herói criador]. Como castigo por sua preguiça, Karú-Sakaibê os transformou em passarinhos, porcos-do0mato, borboletas e em outros bichos que passaram a habitar a floresta.
No entanto, àqueles que não eram preguiçosos ele disse:
- Vocês serão o começo, o princípio de novos tempos e seus filhos e os filhos de seus filhos serão valentes e fortes.
E para presenteá-los por sua lealdade, o grande herói preparou o campo, semeou e mandou chuva para regá-lo. e tão logo a chuva caiu nasceram a mandioca, o minho], o cará, a batata-doce, o algodão, as plantas medicinais e muitas outras que servem, até os dias de hoje, de alimento para esta gente. Ainda os ensinou a construir os fornos para preparar a farinha.
Contam nossos avós que foi assim que Karú-Sakaibê transformou a grande nação Munduruku num povo forte, valente e poderoso...

segunda-feira, 30 de março de 2009

Narrações da Semana



Este fim de semana fiz narrações em duas lojas da Livraria da Vila. Sábado na Livraria da Vila da Alameda Lorena e domingo na Livraria da Vila do shopping Cidade Jardim.
As apresentações foram especiais.
No sábado os pequenos ouvidos e olhinhos estavam atentos, e com certeza ficaram surpresos com as versões que contei de A Rapunzel , Cinderela e o Gato de Botas, já que privilegiei a versão da editora Itatiaia - Contos de Fadas, obra completa, Irmãos Grimm. Sabem que após as versões dysney, ficou mais complicado que as famílias não se espantem com as versões mais próximas das realmente colhidas pelos Irmãos Grimm, que tem um detalhamento das situações e é recheado que simbolismos importantíssimos para o desenvolvimento psiquico das crianças em qualquer época.
Interessante fazer esta reflexão mesmo que breve. Noto que as famílias acham que a Cinderela em sua versão mais próxima da original é muito agressiva; mas será que é hoje questionado qual o papel da agressividade quando colocada na brincadeira , no faz de conta , tempo que tem fim, e em que as angústias podem ser elaboradas, pois se sabe que não faz parte do tempo compartilhado?
Acho que esta é uma reflexão oportuna a todos os pais que procuram oferecer aos filhos o espaço lúdico para o bom desenvolvimento, para nós contadores de histórias e profissionais a fins. que histórias estamos contando , por que? pra que?
Lembro que a brincadeira, o faz de conta é que ajuda as crianças a entenderem o mundo.E, que mundo queremos que elas entendam ?


Já no domingo contei a fábula de Ananse e sua astúcia em buscar as histórias com do Deus do Céu e os Músicos de Bremen (também desta obra dos Grimm), e pra fechar com chave de ouro apresentei pela primeira vez em público a Flor, linda boneca articulada que fiz no curso da Cia Ópera na Mala promovido pelo SESC SP.
A experiência com a Flor foi mágica , deu muita vontade de fazer mais e mais bonecos, ohhhh delíccciiiaaa!!!

Vejam o álbum e comentem...

terça-feira, 17 de março de 2009

De I Seminário do Programa de Educação de Rua - Projeto Travessia



Participação no I Seminário do Programa de Educação de Rua , na mesa "Brincadeira tem hora? A transmissão da cultura da brincadeira e a prática dos educadores sociais de rua."

Brincadeira de Rua

Dizem por aí que tem menino que se esqueceu de ser menino.
E ainda que tem menina que não sabe como é ser menina.
Não acredito!
Na verdade nunca acreditei.
Um dia fui falar com a menina,
Perguntei com cara de curiosa:
Ei menina, o que você vai fazer?
Ela respondeu como se fosse fácil:
- Não sei, ué!
Um dia olhei nos olhos do menino,
E vi as bolinhas de gude que ele tava morrendo de vontade de jogar.
Aí confirmou:
A menina não sabia o que ia fazer, mas fazia.
O menino não se esqueceu de ser menino, estava (a)guardando!
Menino gosta de bolinhas de gude,
De corda,
De bola, ahhhh... de bola gosta muitão;
Menina também.
Pra menina tudo é diversão:
Correr solta pelo mundo,
Ver as coisas com a mão,
Pro menino tudo passa num segundo,
E o segundo é do tamanho do seu mundo,
Se problemas eles tem, amortecem pra viver,
Quando se pergunta pro menino:
Por que vc veio pra cá?
E ele lembra que lá, era difícil ser olhado,
Brincar só depois do trabalho,
Que tudo que ele faz é atrapalhado ( ou é o que dizem?!),
que até crescer tem que ser acelerado;
Com o olhar láááá longe ele responde:
Por que sim, oxi !!!
Mas ai vem uma brincadeira
(quem disse que menino e menina perambulam ? meninos e meninas brincam !!!)
E tudo fica pra depois.

Pois é, o menino só quer ser feliz,
E a menina também,
Quer ser igual atriz,
E o menino também,
Mas já sabe que a vida é por um triz,
E que pra ser mesmo feliz tem que cuidar do nariz!

Ahhhh, menino
Se você entendesse meu javanês!!
Se percebesse que não adianta brincar de esconde- esconde com a vida !
Ahhhh, menina
Se você se olhasse no espelho mais uma vez
E percebesse que sua beleza é mais bela, e que não tem vez ...
Vocês compreenderiam que entendo sua saúde, sei por que veio, mas que pra ser feliz é preciso, é preciso, é preciso..!
Mudar de jogo!
Mudar as regras,
Mudar o mundo!!!

E acreditem;
foram vocês que me ensinaram:
São os adultos que precisam mudar!!!
Ajudem-nos!!!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Biblioteca Hans Christian Andersen


Olá a Tod@s ,
Queria compartilhar com vocês a felicidade que foi contar histórias - ou devo dizer trocar histórias - com todas as crianças lindas que foram lá na biblioteca Hans Christian Andersen dia 11 de março.
Foram duas sessões lotadas de ouvidos atentos e interessados, que me ajudaram a trazer para o presente lindas histórias de encantamento e aventura.
Quero voltar mais vezes, minha caixa esta cheia de vontade de se abrir de novo por lá e encher o ar de histórias...

segunda-feira, 9 de março de 2009


Na Livraria da Vila dia 8 de março tive o prazer de compartilhar histórias de mulheres incriveis, que mudaram seus destinos e dos grandes heróis que as acompanhavam.
Com uma riqueza simbólica que a mitologia sempre ofertou a humanidade, Pandora e sua Caixa, Maria uma princesa que tem uma irmã serpente e uma tragetória de cinderela do nordeste brasileiro e a maravilhosa Princesa de Bambuluá que com seus encantos fez um homem comum percorrer a tragetória do herói sem esmorecer nem por segundos, foram as protagonistas da tarde ...

Como a livraria estava cheia de princesas e principes, rainhas e reis, o encantamento foi espalhado pelo lugar num instante..

Espero voltar

E espero vocês quando isso acontecer !
Abraços

segunda-feira, 2 de março de 2009


Contos de Mulheres e suas Aventuras No dia internacional da mulher estarei contando histórias sobre encantadoras mulhres que mudaram seu destino e o da humanidade!

Dia 08/03/09

- A Caixa de Pandora (mitologia grega)

-A Princesa de Bambuluá
(conto tradional do Brasil)

- Por que o mar tanto chora ?(conto tradional do Brasil)

Na Livraria da Vila - Shopping Cidade Jardim
Av. Magalhãe Castro 12000 - Morumbi (Marginal Pinheiros )
às 16 hs - Grátis

Espero Tod@s !!!!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Caixa de Histórias

Escutem só o que vou contar :

Num tempo não muito distante haverá um encontro com a magia dos quatro cantos do mundo !!

Num lugar com nome de mago - dono da magia das palavras aladas - a Biblioteca Hans Christian Andersen , você se deparará com uma grande caixa e de dentro dela todo o mundo sairá colorido ao sabor de histórias da tradição oral da África, Brasil, America Latina, Europa e Oriente venha e experimente essa viagem inusitada!!!!

O espetáculo Caixa de Histórias será apresentado duas vezes no mesmo dia
11 de março de 2009 às 10:00 e às 14:00 horas

Endereço: Av. Celso Garcia, 4142
Tatuapé - 03064-000 São Paulo, SP
Tel.: 11 2295-3447

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas/bibliotecas_bairro/bibliotecas_a_l/hanschristianandersen/index.php?p=149


Espero vocês pra escutar e voar !!!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO NA TERAPIA OCUPACIONAL COM CRIANÇAS DA FAIXA ETÁRIA DE 2 A 7 ANOS.

Olhem só :
Ando procurando na net vários textos , acadêmicos e não acadêmicos, para que contadores de histórias de toda parte possam se deliciar e melhorar muito sua prática!
vou postar aqui primeiro um sobre contar histórias e a terapia ocupacional ... minha praia , rs!
aproveitem para saber mais e fazer criticas também ... por que não ?!!?
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO NA TERAPIA
OCUPACIONAL COM CRIANÇAS DA FAIXA ETÁRIA DE 2 A 7 ANOS.
Daniel Delvano Silva Cunha
Anaile de Albuquerque Moreira

abraços pra vocês !!!
clique no título para acessar o texto, tá ?!?

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

rEcReIo NaS fÉRiAs



Hoje participei de mais um recreio nas férias, evento da prefeitura de São Paulo em parceria com o Condomínio Portal dos Bandeirantes ...
contar histórias é muito fácil quando o público é tão inteligente e querido , obrigada crianças
e que os Ibejis estejam lá no céu protegendo cada um de vocês !!!!

domingo, 11 de janeiro de 2009

Olá a todos os contadores e escutadores de histórias
Eventos muito legais vêm ai , o ano tá começando com idéias fervendo na cabeça .... bom , né ?!
Só pra ficarem de olho tem alguns cursos de verão que serão oferecidos no SESC SP , bom dar uma olhadinha !!!
Começarei este ano contações em pontos da cidade ... este mês a partir do próximo domingo tem contação lá no Parque Trianon ... fiquem ligados
as fadas andam soltas, dançando em volta das árvores mais lindas da cidade!
Conto com (e pra) vocês !
abraços

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Feliz Ano Novo

O que desejo neste ano novo é que as idéias azuis do mundo saiam das salas do sono e coloram o espaço traçando novos horizontes....



Uma Idéia Toda Azul



Um dia o Rei teve uma idéia.
Era a primeira da vida toda, e tão maravilhado ficou com aquela idéia azul, que não quis saber de contar aos ministros. Desceu com ela para o jardim, correu com ela nos gramados, brincou com ela de esconder entre outros pensamentos, encontrando- a sempre com igual alegria, linda idéia dele toda azul.
Brincaram até o Rei adormecer encostado numa árvore.
Foi acordar tateando a coroa e procurando a idéia, para perceber o perigo. Sozinha no seu sono, solta e tão bonita, a idéia poderia ter chamado a atenção de alguém. Bastaria esse alguém pegá-la e levar. É tão fácil roubar uma idéia. Quem jamais saberia que já tinha dono ?
Com a idéia escondida debaixo do manto, o Rei voltou para o castelo. esperou a noite. Quando todos os olhos se fecharam, saiu dos seus aposentos, atravessou salões, desceu escadas, subiu degraus, até chegar ao corredor das Salas do Tempo.
Portas fechadas, e o silêncio.
Que sala escolher?
diante de cada porta o Rei parava, pensava, e seguia adiante. Até chegar à Sala do sono.
Abriu . Na sala acolchoada os pés do Rei afundavam até o tornozelo, o olhar se embaraçava em gazes, cortinas e véu pendurados como teias. Sala de quase escuro, sempre igual. O Rei deitou a idéia adormecida na cama de marfim, baixou o cortinado, saiu e trancou a porta.
a chava prendeu no pescoço em grossa corrente. e nunca mexeu nela.
O tempo correu seus anos. Idéias o Rei não teve mais, nem sentiu falta, tão ocupado estava em governar. Envelhecia sem perceber, diante dos educados espelhos reais que mentiam a verdade. Apenas, sentia-se mais triste e mais só, sem que nunca mais tivesse tido vontade de brincar nos jardins.
Só os ministros viam a velhice do Rei. Quando a cabeça ficou toda branca, disseram-lhe que já podia descansar, e o libertaram do manto.
Posta a coroa sobre a almofada, o Rei logo levou a mão a corrente.
- Ninguém mais se ocupa de mim - dizia atravessando salões e descendo escadas a caminho das Salas do Tempo - ninguém mais me olha. Agora posso buscar minha linda idéia e guardá-la só para mim.
abriu a porta, levantou o cortinado.
Na cama de marfim , a idéia dormia azul como naquele dia.
Como naquele dia, jovem, tão jovem, uma idéia menina. E linda. Mas o Rei não era mais o Rei daquele dia. Entre ele e a idéia estava todo tempo passado lá fora, o tempo todo parado na Sala do Sono. Seus olhos não viam na idéia a mesma graça. Brincar não queria, nem rir. Que fazer com ela? nunca mais saberiam estar juntos como naquele dia.
Sentado na beira da cama o Rei chorou suas duas últimas lágrimas, as que tinha guardado para maior tristeza.
Depois baixou o cortinado, e deixando a idéia adormecida, fechou para sempre a porta.

Marina Colasanti